Viva Tavira

(...)
Poucas cidades têm o privilégio de conviver com o seu passado como Tavira. O casario harmonioso parece viver em paz, perdido no tempo. E quem passa nas ruas estreitas do centro histórico sente esse ambiente mágico de outros tempos. Respira-se, um certo ar aristocrático, elegante, que tem presente os sinais de riqueza acumulada nos feitos da expansão portuguesa. Há quem lhe chame também a cidade das igrejas e quem diga que depois de contadas, são cerca de tres dezenas ao todo. São, de facto. Mesmo que no primeiro olhar pareçam diluídas no conjunto do aglomerado urbano.
(...)

in: Passear e conhecer
Um apontamento ...